Biblioteca Escolar

CONCURSO LITERÁRIO – 22ª EDIÇÃO PRÉMIO DRª TERESA HENRIQUES (POESIA) e PRÉMIO DRª TEODORA MOURATO (PROSA)

Decorreu hoje a cerimónia da entrega dos prémios do Concurso Literário da Fernão, atividade desenvolvida pelo Departamento de Línguas. O júri, constituído pelas professoras Maria Joaquina Matos, Helena Joaquim, Isabel Lopes, Maria Gracinda Correia e Sandra Conceição, decidiu a não atribuição de prémios ao nível do Ensino Básico devido ao insuficiente número de trabalhos entregues e à baixa qualidade dos mesmos.
Porém, no Ensino Secundário, foram premiados os seguintes alunos:
Poesia, 2º Categoria (Ensino Secundário)
1º Prémio: «Prelude OP. 28 No. 4, Chopin», Alice Ribeiro (12º turma 2)
2º Prémio: «Eletrão de valência», Marta Cruz (10º turma 2)
3º Prémio: «Flor», Tiago Ribas (10º turma 3)
 Prosa, 2ª Categoria (Ensino Secundário)
Menção Honrosa: «Querido Diário», Carolina Monteiro (12º turma 2)
Menção Honrosa: «Galerie Chat-Chat», Muriel Dias (11º 2)
Deixamos aqui o poema vencedor com a promessa de publicar os outros em breve.
Prelude Op. 28 No. 44, Chopin
Sinto-o, sinto-o tão lentamente
E vejo-o levantar vagarosamente
Esta fina areia cor da ruína
Feita pela destruição da minha ira.
 
Oiço, neste deslumbrante Largo,
Que o ar está intensamente amargo
E a cada nota dos acordes deste Mi menor
Imagino as pesadas passadas de um Major.
 
Sopra, sopra tão calmamente
E carrega melancolicamente
A efígie deste cenário de guerra,
Refletido naqueles olhos de cor de terra.
 
Dói, dói respirar esta tensão
E suspirar com medo da dimensão
Do vazio causado pela calmaria
De uma pausa que eu jamais domaria.
 
Levo, destes serenos intervalos,
Uma inquieta agitação nos embalos,
Uma esperança subitamente morta
Por uma angústia que ninguém suporta.
 
Sei, sei o final que me aguarda:
Uma paz demoradamente libertada
E um grave incómodo que só o tempo
Me fará voltar a dançar com este vento.
Alice Ribeiro (12º2)

A Joana é a voz da escola no CNLVA

A Fernão concorreu pela primeira vez ao Concurso Nacional de Leitura em Voz alta (CNLVA), este ano na sua 3ª edição.
Após inúmeras audições e duas etapas ultrapassadas, em que participaram catorze alunos da escola, do 7º ao 10º anos de escolaridade, a Joana Silva foi a aluna selecionada para representar a Fernão neste concurso. A Joana Silva é aluna do 7º3 e, com apenas 12 anos de idade, já possui muitas qualidades de leitora: boa dicção, entoação e fluência corretas. O texto lido é um excerto intitulado “A Escola”, um capítulo do livro Vamos Comprar um Poeta, de Afonso Cruz.
Boa sorte, Joana!!!!

Como Captas a Realidade ? (parte2)

Como captas a realidade? (parte 2)
A partir do quadro O Jardim das Delícias de Jerónimo Bosch (séc. XVI), os alunos da turma 12º1 criaram um peddipaper aplicado à turma 7º2. Em equipas de quatro e supervisionados por um monitor, os alunos mais jovens percorreram as estações, espalhadas pela escola, a fim de prestar provas diferentes e obter vários elementos relevantes da referida obra de arte. Exposto na sala polivalente, as equipas foram chegando e completando o quadro em jeito de puzzle. Os objetivos foram conseguidos, pois houve MUITO entusiasmo, espírito de equipa e divertimento. Estreitar relações interpessoais é importante, quer entre os alunos da turma quer entre alunos mais velhos e mais novos.
 Obrigada 12º1 e profª Conceição Oliveira!!!

COMO CAPTAS A REALIDADE?

No âmbito da Escola a Ler (PNL) e da Semana da leitura, a turma do 12º1 desenvolveu um projeto muito interessante a propósito do estudo das leis da perceção, na disciplina de Psicologia.
O pontapé de saída para os trabalhos decorreu de uma visita de estudo a dois museus de Lisboa: o MAAT e o CCB. A iniciativa conjunta entre a BE e a professora da disciplina, Drª Conceição Oliveira, teve lugar no dia 22 de fevereiro e ofereceu a ótima oportunidade aos alunos para verem, olharem e percecionarem obras diferentes, com múltiplas técnicas, espelhando várias tendências e produzindo sensações diversificadas.
Como captas a realidade? É o título da exposição de um grupo de alunos da turma, trabalho resultante da reflexão que fizeram da matéria abordada. A exposição inclui um vídeo realizado pelos próprios alunos e ilustra, de forma dinâmica, a exposição.
As palavras de ordem deste projeto são luz, cor, ilusão e ótica mas, numa outra perspetiva, poderiam ser empenho, organização e competência!
Como captas a realidade? É igualmente o nome do peddipaper que decorrerá amanhã, dia 31 de março, dinamizado por outro grupo de alunos da turma.
Estejam atentos às próximas notícias!

READ ON: Antologia -10º2 com Filipa Martins

Pelo enorme sucesso e impacto que teve, a RBE dá continuidade ao projeto READ ON – Reading for Enjoyment, Achievement and Development of yOuNg people, este ano cofinanciado pelo programa Europa Criativa, da União Europeia. O projeto visa promover a leitura junto dos jovens entre os 12 e os 19 anos através de múltiplas iniciativas, uma das quais ANTOLOGIA.
A Fernão participa pelo quarto ano consecutivo nesta iniciativa. Este ano letivo tivemos a presença da escritora FILIPA MARTINS que, em quatro intensas sessões, pôs os alunos a pensar e a escrever!
De facto, os alunos da turma 10º2, motivados pela professora de Português, Maria Joaquina Matos, tiveram oportunidade de criar um texto conjunto com a história de cada um, usufruindo para isso de metodologias diferentes das que estão habituados. Em breve, estes alunos  poderão ver os seus textos publicados numa antologia onde também participam outras escolas do país.
Quem disse que os jovens não escrevem ???
(iniciativa BE/GPRE)

À Conversa com...Íris Bravo

No Dia dos Autores Europeus, dia 27 de março, recebemos com muita alegria ÍRIS BRAVO, autora de um dos livros da BE mais requisitados nos dois últimos anos: A Terceira Índia (2020). Escreveu igualmente A Nova Índia (2021) e, mais recentemente, O Regresso de Julie Blue (2022).
Médica obstetra, Íris Bravo destaca-se pelo seu trabalho no CIRMA (Centro de Infertilidade e Procriação Medicamente Assistida do Hospital Garcia de Orta) desde 2011. No entanto, tem outra paixão: a leitura e a escrita. A vontade de partilhar conhecimento, de ajudar os outros, bem como a qualidade terapêutica da leitura, são as grandes motivações para Íris Bravo escrever.
A autora confessou que o grande drama de um médico é nem sempre conseguir ajudar o paciente. Se não fosse médica, talvez fosse professora, como Sofia, a protagonista dos seus dois primeiros romances.
A profissão de médico, tal como a de professor, exige dedicação e uma grande generosidade. Foi, de facto, com generosidade e muita simpatia que a médica/escritora se disponibilizou a responder às inúmeras perguntas dos nossos alunos presentes (8º2, 8º3, 10º3 e 2º9).
Depois da sessão, não quis deixar de tirar umas fotografias com todos e assinar algumas dedicatórias.

O RETORNO - a sinopse

No passado dia 23 de fevereiro, na fase municipal da prova de palco, os alunos da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto Júlia Câncio e Pedro Moraes, respetivamente das turmas 9º3 e 10º6, passaram à fase seguinte do Concurso Nacional de Leitura com mérito e distinção. Para esta prova, os alunos tiveram de expor os seus argumentos sobre o livro que leram, respondendo a várias perguntas e tendo demonstrado bom conhecimento da obra e uma reflexão profunda sobre o conteúdo da mesma.
A nível concelhio, a obra selecionada para o ensino secundário foi O RETORNO, livro cuja sinopse aqui se apresenta, redigida pelo Pedro Moraes:
Com a independência de Angola à vista, a família do Rui, um rapaz de 15 anos, viu-se obrigada a retornar à metrópole.
O livro narra os desafios enfrentados pela família no doloroso retorno. A obra de Dulce Maria Cardoso, além de dar a conhecer a história desta famíia, retrata o que era ser retornado num país que enfrentava grandes mudanças políticas e sociais.
O RETORNO é um livro fundamental no processo de compreensão da realidade de muitas pessoas na década de 1970 que tiveram de regressar a Portugal com diversas incertezas.

ESCOLA A LER

A propósito de uma proposta no âmbito dos “10 minutos a Ler”, decorreu entre novembro e janeiro, um concurso de escrita promovido pela BE, justamente subordinado ao tema “A BIBLIOTECA”.
Apesar do prazo alargado, a adesão não foi muito grande, mas o júri considerou que os textos tinham qualidade suficiente para proceder à sua apreciação. Assim, foram selecionados os seguintes alunos:
Ensino Básico: Margarida Rodrigues (7º3)
Biblion, de onde deriva o vocábulo biblioteca — o termo teca designa o lugar onde se guarda alguma coisa.
Mas será somente isso? Para mim não…é muito mais que um simples lugar onde se guarda algo.
Bibliotecas…são um canto ou recanto de história.
Aqui se encontram as mais importantes escritas, aquelas que nos levam a questionar o porquê das coisas e a busca por respostas às nossas questões.
É aqui que dormem os livros. Eles são como professores, que nos levam a outro patamar de conhecimento e de sabedoria. É neles que, ano após ano, crescemos enquanto alunos.
As bibliotecas são como um balão cheio de informação. Para alguns são um refúgio e um porto seguro, onde é possível estar apenas com os pensamentos em silêncio e onde, de alguma forma, se pode ignorar tudo e todos.
É como entrar num Mundo especial, onde tudo tem resposta. Capas e capas que nos levam a viajar e recordar o cheiro bom dos livros e das suas folhas. Lidos por muitos, requisitados por tantos outros são objetos valiosos e que devem ser estimados como copos de cristal.
Aqui e em silêncio, ler é um exercício pessoal que permite descobrir nos textos, mensagens “escondidas” que cada um interpreta à sua própria maneira. Não existe forma certa ou errada… existe apenas a interpretação que a nossa mente nos dá e nos proporciona viajar na história criada em que o autor escreveu linhas e linhas, fazendo deslizar a caneta sobre delicadas folhas de papel. É nas viagens que fazemos nestes espaços, sinónimos de sossego, que não há certo, nem errado, melhor ou pior. É como sermos um rio… linhas de água que correm sem rumo certo, mas que nos deixam felizes e tranquilos com o caminho.
Ir à biblioteca é frequentar uma fonte imensa de sabedoria.Aqui, há tantos destinos possíveis, tantas opções, tanta liberdade!
Ensino Secundário: Isabel Luís (10º3)
A Biblioteca não é um local/É um sentimento.
Não é um passatempo/vem do coração
Os livros são uma inspiração.
Livros recentes, livros antigos
Ambos bons/Diferentes tons/Diferentes odores
Diferentes escritores/Diferentes aventuras
Diferentes culturas/Diferentes histórias
Criam memórias.
A Biblioteca é um passeio/Interminável de livros.
Estas criaturas /Que ganham vida na mente /Do escritor
E galgam para a mente /Do leitor.
Dizerem-me que uma biblioteca /Se resume a silêncio/É uma farsa!
Até me dá graça/Porque os livros/São os locais mais barulhentos /Do mundo!
Risos /Gritos /Grunhidos /Explosivos
Chilreios/Tiroteios/Marulhos
Enfim,
Barulhos, barulhos, barulhos!
Mergulha num livro /Nada nas histórias/Nada nos cenários
Nada entre as personagens/Nada na mente de quem escreveu
Nada, nada, nada!
Uma biblioteca não é nada
Sem um leitor.
Os leitores/Fazem parte da mobília/De uma biblioteca.
Ouve com atenção,
Se não tens nada para fazer,
Vai fazer nada para a biblioteca.
Agradecemos a todos a vossa colaboração e convidamos a comunidade a visitar a nossa exposição.
https://www.instagram.com/p/CoXBNAlsocE/

ALUNOS APURADOS PARA A FASE MUNICIPAL

Na Fernão, no passado dia 20 de janeiro, terminou a fase escolar da 16ª edição do Concurso Nacional de Leitura (CNL).
O processo de apuramento dos candidatos à fase seguinte foi longo, como é habitual. Os alunos inscritos tiveram de ler uma obra a nível de escola. As obras selecionadas foram Vanessa Vai à Luta de Luísa Costa Gomes e O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde, respetivamente no ensino básico e no ensino secundário. Seguidamente, realizaram uma prova escrita sobre a leitura da obra e os quatro alunos de cada ciclo de ensino com melhor pontuação prestaram igualmente uma prova oral.
Durante uma hora e meia, perante um juri composto pela professora bibliotecária, professora Margarida Paiva e a professora (aposentada) Cecília Farinha, num diálogo entusiasmado e revelador de muito conhecimento e reflexão sobre as obras lidas, apuraram-se os alunos que vão representar a Fernão na fase municipal, a 16 de fevereiro. São eles:
- Júlia Câncio (9º3) e Emilly Dutra ( 9º3)
- Pedro Moraes (10º6) e Francisco Jorge (11º2)
A dita prova oral revelou-se antes uma verdadeira tertúlia onde as professoras presentes ficaram muito orgulhosas, dos jovens em geral, e destes alunos em particular, pela forma crítica e inteligente como abordaram as obras literárias que leram e da maneira como expuseram as suas ideias.
Obrigada a todos que colaboraram.
Parabéns aos professores que incentivaram e a todos os alunos que participaram!

Living Among What's Left Behind

O livro referente à exposição que teve lugar no Antigo Edifício da EDP, em Almada, foi  gentilmente oferecido à Biblioteca Escolar. Trata-se de uma excelente oportunidade de visita para quem não teve possibilidade de o fazer in loco.
Living Among What’s Left Behindfoi, no entanto, visitada por 19 turmas da Escola Fernão Mendes Pinto, 389 alunos no total, do ensino básico e secundário.
Magistralmente cumprido o objetivo desta exposição : todos quantos a visitaram se sentiram interpelados, chocados, arrepiados e é esse sentimento de desconforto que se espera que mude comportamentos pessoais.
Urge, pois, cada um de nós fazer o que pode para reduzir o lixo, e o plástico em particular, que cada vez mais sufoca o Planeta.